008 – Príncipe – Visita ao Hospital & Almoço

Ora o caminho para o local onde dão aulas de Capoeira passa pelo hospital. Hospital? Eu tenho que conhecer o hospital. Lá à frente está a Norá à espera que eu tire a foto às placas. Não ficou bem à primeira.

Chegar doente e ter de subir estas escadas é obra… Mas há uma estrada para os carros que vai à volta. Bastante íngreme também. Subi-a de bicicleta na mudança mais minúscula que tenho, muito devagarinho, a pedalar, a pedalar. A Norá se bem me recordo fez quase tudo de bicicleta também, só os últimos metros a pé, mas a sua bicicleta não é tão boa, não a ajudou.

A Norá talvez tenha ficado um pouco surpreendida com a minha curiosidade pelo hospital. Eu visito os hospitais e centros de saúde de todo o mundo, este do Príncipe não seria exceção.

Também visitei um hospital na China;
O Centro de Saúde de Metinaro, em Timor
Hospital de Los Palos, em Timor
Hospital de Maliana, em Timor

Portanto, bute lá conhecer o Hospital Dr. Manuel Quaresma Dias da Graça. (Numa urgência ao telefone, uma pessoa morre antes de conseguir dizer o nome todo).
Eu quis deixar a bicicleta presa com o cadeado, mas a Norá disse que não era preciso, que ficaria ali à espera, a tomar conta dela.
Entrei então pelos corredores do hospital.

Aqui é a ala da felicidade, como se pode constatar pelos sorrisos de todos. É a ala da maternidade. Dei os parabéns às mães e avós que se encontram presentes, e nestas circunstâncias de festa todos gostam duma foto. Um hospital não é só um local de dor, também é um local de felicidade. Deparei com uma parteira que trabalha neste hospital há 40 anos! A enfermeira Manuela. Já terá visto nascer pelo menos metade da população do Príncipe, se calhar.

Aqui já não é tão bom, é a ala da pediatria. Este pequenote está com um problema que precisa de ser tratado, não sei qual, não perguntei. A mãe está a dar-lhe o almoço. Mas ele até está bonito e gordinho, esperemos que se cure e saia rapidamente daqui.

Aqui é a ala masculina, e “você é muito novo para estar aqui!” – disse-lhe eu, perguntando se podia tirar-lhe uma foto. Ele riu-se e deixou-me tirar. Também não deve ser muito grave, não tem ar disso.

E prossegue a viagem em direção ao local onde dão aulas de dança da capoeira. Ainda demorei bastante no hospital; a Norá à espera pacientemente.

A praia de Ponta Mina, com o zoom no máximo. Foi a Norá quem ma apontou. Na foto de baixo já está com o zoom normal. Vê-se o barquinho branco lá ao fundo.

É nesta casa que dão as aulas. Depois de almoço virei cá espreitar.

A Norá entretanto foi para casa e eu fui para o restaurante. A Kita está a servir-me. Era suposto eu estar sentada na mesa à espera, como noutro restaurante qualquer, mas está bem, está. Tenho que ir à cozinha bisbilhotar. Alguma vez eu sou menina de ficar sentadinha na mesa à espera. Eu nem sei como é que as pessoas têm paciência e ainda me recebem bem.

São 13h, tenho 14,9 km de bicicleta, e hoje o prato do dia é este delicioso entrecosto com arroz de legumes. Eu já tinha deixado uma dose encomendada, por telefone, ao meio-dia. Cem dobras. É carne, é mais carote. Está muito saboroso e bem temperado.